ENSINO/DEVOCIONAL

Frutos da Unção

 

Você poderia relacionar nomes de pessoas que se converteram através do seu trabalho de artes e estão firmes no Senhor? Ou pessoas que foram edificadas, curadas, restauradas?

Essa reflexão deve ser feita de tempos em tempos por nós e nossas equipes de Arte.

No primeiro Salmo, Davi nos ensina que a árvore plantada junto às correntes das águas, no devido tempo, dá o seu fruto. Sua folhagem não murcha e tudo quanto fizer será bem-sucedido.

 

Para que o artista cristão tenha êxito no seu trabalho, é necessário que Deus esteja no centro de tudo.

Não precisamos nos esforçar para dar frutos. O fruto é conseqüência de um relacionamento com Ele. Não me lembro de nenhuma única vez na qual uma mangueira, ou qualquer árvore frutífera tenha se esforçado, ou gemido para produzir frutos. O fruto é consequência de sua natureza e de sua alimentação.

Uma vez que estamos ligados a Ele nos alimentando de Sua vida numa atitude de dependência, Ele nos capacitará a realizar a obra com excelência e frutos, derramando sobre nós da sua Unção.

 

Unção significa capacitação para fazer o que naturalmente não seria possível.

 

Certa vez ouvi a história de um garoto que estava na fazenda

com seu avô curioso para saber o que era unção:

– Vovô, o que é unção? – perguntou o garoto.

– Você está vendo aquele pássaro cantando naquela árvore? –

perguntou o avô depois de muito pensar.

– Sim! – respondeu o garoto.

– Aquilo não é unção! – disse o avô que novamente perguntou:

– Você está vendo aquele boi gordo pastando lá no campo?

– Sim! – respondeu o garoto.

– Aquilo também não é unção! – disse o avô.

– Unção – disse o avô – é quando você ver o boi gordo em cima

da árvore cantando e o pássaro no campo pastando. Isso é unção!

 

Unção é a capacitação sobrenatural de Deus sobre nós. Deus nos dá talentos naturais e irrevogáveis. No entanto, esses talentos sem o banhar da unção de Deus não podem produzir frutos que agradem a Deus. Quantos cantores, atores ou bailarinos receberam esse talento e quando desenvolveram suas carreiras seguiram cantando, atuando ou dançando para sua própria glória!

Deus não revoga talentos, porém Ele espera que, por amor, nós canalizemos esse mesmo talento para os Seus interesses e não para os nossos.

E mais, que façamos isso com amor, pois devemos amar mais a Deus que aos presentes que Ele nos dá.

Se não dependemos de Deus voluntariamente, é porque nossa confiança está no talento que Ele nos deu e isso é o mesmo que dizer: “Eu já tenho o que preciso!”

 

Quando Deus disse a Moisés no deserto, em Êxodo 33, que daria vitória a eles e que o Senhor enviaria o Seu anjo, mas Ele mesmo não iria com eles, pois eram povo de dura cerviz, Moisés teve a oportunidade de dizer: “Tudo bem, Senhor! Se o Seu anjo vai conosco para nos proteger e vencer nossos inimigos, já temos tudo o que

precisamos!”.  Todavia, Moisés agiu de modo diferente. Ele rogou a Deus: “Senhor, se a Sua presença não vai comigo não nos faça subir deste lugar”. Em outras palavras: “Senhor! Tu és a razão de todo o nosso esforço. Se o Senhor não estiver conosco, de nada vale o nosso trabalho ou o nosso viver”.

 

Muitos têm amado mais os Dons, o poder de Deus e Seus benefícios do que a Sua presença.

Precisamos desejar o Senhor mais do que o ar que respiramos.

Quando entendermos isso de forma revelada, veremos os milagres de Deus acontecendo naturalmente, porque isso é conseqüência de Sua presença em nosso meio.

 

Uma vez uma pregadora do Evangelho me falou: Teremos Tudo de Deus quando Ele tiver tudo de Nós!

 

Ame a Deus de Todo o Seu coração!

Busque – o Enquanto esta Perto!

 

Adriana Pinheiro Diogo

Cia Rhema de Teatro, Musical e Dança

 

 

Cia Rhema de Musical Teatro e Dança / Deus é Fiel!                                                                                                                                                  Desde 1991 Edificando a Cultura do Reino